Ano passado escrevemos por aqui um pouco da história da Rock Content e contamos sobre alguns milestones alcançados. Foi super bacana e este post já se tornou um dos mais lidos de todos os tempos aqui no Hackers!

Mantendo a tradição de copiar nossos ídolos como Moz, a Groove e o Buffer, resolvemos escrever um pouco dos sucessos, tropeços e desafios da Rock Content aqui novamente. Mais uma vez, escrevemos esse texto a múltiplas mãos (Diego, Edmar, Matt, Hank, Flávia, Freitas, Rita e Peçanha).

O post de hoje é especial, e vamos abrir todas as cartas que estão no jogo da Rock Content. Fazemos isso anualmente e amamos os feedbacks!

Por isso, se curtir o conteúdo, por favor compartilhe e não deixe de enviar suas ideias, opiniões e perguntas para a gente.

Novamente também convidamos mais fundadores de startups a compartilhar suas histórias e desafios também! Tipo isso aqui.

Hora de partir para as aventuras vividas no ano de 2017 e as que já estamos vivendo em 2018! Vem com a gente.

Vamos pra cima!

Em 2016 fechamos o primeiro ano completo em break even, com um crescimento sólido, em R$20 milhões de receita anual!

Este ano não foi diferente e seguimos crescendo em alta velocidade e melhorando nas principais métricas. Infelizmente não conseguimos dobrar nosso A.R.R. — que era nossa meta inicial — , mas atingimos mais de 70% de crescimento ano a ano com uma performance financeira bacana.

Ah, e ainda saímos de 200 funcionários para 300, um ganho super bacana de eficiência 😉 #FeelsGood!

https://www.instagram.com/p/BaYFpbKFSOq/

Highlights

Marketing & Sales

  • Batemos 9 milhões de visitantes nos sites da Rock e no marketingdeconteudo.com, um crescimento de mais de 80% year over year.
  • Nosso blog para a LatAm cresceu 10x, ultrapassando 100k visitas/mês.
  • Batemos 50.000 alunos na Universidade Rock Content!
  • Crescemos em 160% o número de criativos na nossa base de autores da Comunidade.
  • Escalamos o time de vendas para mais de 60 pessoas e o time de marketing para mais de 20 pessoas.

Sucesso dos Clientes

  • 7 trimestres consecutivos com redução de churn!
  • Atingimos a meta churn negativo no segmento Enterprise 😉
  • 20% de redução do churn em relação a 2016.
  • Implementamos nossa metodologia de estágios.

Conteúdo

  • Melhoramos ainda mais a qualidade do nosso conteúdo, saindo de uma avaliação de clientes de 3,9 estrelas para 4,55 estrelas por conteúdo entregue! Wohoo!
  • Focamos também em reduzir os atrasos nas entregas dos conteúdos produzidos pelos nossos queridos freelas. Saímos de 4,8% de textos com atraso, para menos de 2%. Ainda assim, são raríssimos os casos de atrasos superiores a um dia útil.
  • Aumentamos em 68% nossa comunidade de freelancers ativos, e seguimos valorizando-os cada vez mais. De 2016 para 2017, o valor médio por peça de conteúdo pago ao freelancer teve um aumento médio de 29%!
  • Graças também ao grande investimento em tecnologia feito no ano passado, implementamos um programa de matchmaking entre freelas e clientes. Hoje, 77% dos conteúdos já são produzidos pelos “matches” do cliente!

Talentos

  • Melhor capacitação e recursos para o time entregar. Conseguimos uma redução de 12% na nossa taxa de desligamentos na empresa.
  • Nossa avaliação de qualidade do processo de onboarding de novos talentos melhorou e muito! Saímos de 52% de #NewRockers confusos após o onboarding para 28%! Ou seja, depois do onboarding, 72% das pessoas já sabem como a máquina complexa da Rock opera 😉
  • Implementamos um Playbook de 1on1s padronizado, e os resultados têm sido demais. Melhoramos a qualidade e a frequência dos 1:1s entre gestores e funcionários, com mais conversas sobre desenvolvimento e carreira. Isso elevou a percepção positiva de desenvolvimento profissional dos Rockers de 64% para 80%. Hoje 4 em cada 5 Rockers têm ao menos uma conversa sobre carreira com o seu gestor mensalmente.

Produto

  • Este foi um ano de grandes investimentos, com o time crescendo muito. Criamos ótimas ferramentas internas que nos permitiram melhorar faturamento, inadimplência, qualidade de conteúdo e acompanhamento de sucesso.
  • Reescrevemos toda a nossa plataforma e estamos rodando um beta fechado com alguns clientes. Os feedbacks têm sido super bacanas e já já virão novidades fantásticas por aí. Não podemos falar mais sobre isso… Ainda!

Lições aprendidas

Crescer dói e muitas vezes é preciso recalibrar no meio do caminho.

Em 2017 tivemos alguns tropeços, especialmente na primeira metade do ano, mas a máquina já está de volta e a todo vapor. Aqui vão os key learnings do ano:

  • Melhorar nossa retenção de talentos: 2017 foi um ano difícil neste aspecto. Perdemos ótimas pessoas para algumas empresas que admiramos ou, em alguns casos, tivemos que tomar decisões difíceis. Isso impactou nosso resultado de várias formas, especialmente comercial, pois perdemos alguns dos nossos melhores representantes de vendas.
  • Contratar/rampar em velocidade: erramos o timing em algumas contratações e faltou “sales capacity” e “CS capacity” durante o ano todo. Se tivéssemos acertado talvez tivéssemos melhorado a retenção e tido um resultado comercial melhor.
  • Encontrar product people: tivemos um ciclo de desenvolvimento longo e pouco iterativo na nossa nova plataforma, e isso nos atrasou um pouco. But we’re back on track! Houve também grandes desafios de encontrar novas pessoas para o time, mas fechamos o ano com duas contratações-chave em que estamos apostando muito! You guys know who you are!
  • Dados precisam ser acessíveis: apesar do nosso grande investimento em metodologia, demoramos muito para dar ferramentas a todos para conseguirem analisar e entender os motivos de sucesso dos nossos clientes. Isso impactou um pouco, mas fizemos progressos animais no último trimestre do ano!

Destaques que não podiam ficar de fora

  • Hank, novo head de marketing da empresa! O cara acabou de assumir e já entregou um quarter absurdo no Q4 de 2017. 113% da meta!
  • Uma presença bacana em diversos eventos! O RD Summit e o Superlógica Experience marcaram 😉 Clique no play abaixo!

https://www.instagram.com/p/Bafe_A1HSfe/

  • Nossa nova turma de gerentes é monstruosa. Impressionante o nível da galerinha em posições de liderança na Rock hoje! #RockProud
  • Novo escritório em breve. Estamos prontos para nos mudar (final do mês) para um espaço maior, melhor e com uma infraestrutura super legal. #StayTuned

Preview de 2018

Acreditamos ter passado de ano com uma nota 8/10 em 2017. Foi um ano difícil, mas atingimos a maior parte dos nossos objetivos, com uma eficiência bacana.

Para 2018 estaremos focados em 3 temas principais:

Software + Content + Services (SCS, not SaaS)

Em 2018 vamos cada vez mais desacoplar nossos 3 produtos principais:

  • Software: Nossa plataforma.
  • Conteúdo: O serviço prestado pelos nossos freelancers.
  • Professional Services: O coaching que o nosso time dá para nossos clientes terem mais sucesso!

Isso pede um grande investimento em tecnologia, e pode apostar que este é um dos grandes desafios do ano. Mas estamos mais empolgados do que nunca com o que vem pela frente.

Going UpMarket

O Lemkin sempre fala que melhorar o desempenho no segmento de grandes contas é um caminho natural, e temos tido sucesso nesse ponto.

Para nós, crescer no segmento Enterprise é algo que vai requerer mudanças significativas no processo comercial, atendimento, produto… É uma das grandes lutas que enfrentaremos em 2018. Mais hotéis e aviões pra galera 😉

World Class Management

Se em 2017 já demos um salto incrível e uma grande profissionalização no nosso time de liderança, para 2018 queremos chegar no estado da arte.

REAL WORLD CLASS. Mais Falconi, Collins e Grove na cabeça do time neste ano.

Matt Doyon, the poet 😉

Notas finais

(Íamos traduzir, mas preferimos deixar nas palavras do Mr. Matt Doyon, para não ficarmos lost in translation)

In the US, sports teams oftentimes have what’s called a rebuilding year. The changes in management, losing and getting new players, shaking things up a little bit to prepare for a run at a championship. For us, not taking on any capital, making a lot of changes in Content, Sales and CS to improve retention, and having the balls to rewrite our platform made 2017 a rebuilding year. Yet, almost doubling is damn strong. Most businesses I am familiar with had to burn like crazy or make an acquisition or both to grow that much at our size. It’s like we won a championship in a rebuilding year.

Matt Doyon

Happy 2018!!!


Ah, se você leu até aqui e este conteúdo foi minimamente útil para você, vamos pedir um favor: não deixe de compartilhar este artigo e mandar seus comentários. Além disso, se tiver coisas legais para compartilhar sobre sua startup e seus desafios, manda pra gente! Vai ser um prazer ter conteúdo bacana aqui no Hackers 😉

Share this post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *